banner

Ticker

* Cotações com atraso superior a 15 minutos via Bats CHI-X Europe e NASDAQ Basic

Portugal - Fixed Income - 12 janeiro 2018

12 Jan 2018

noticias/newsletter.jpeg

O enquadramento permanece desfavorável aos mercados de dívida soberana traduzindo (1) a maior atividade no mercado primário no início de 2018, (2) a subida das expectativas de inflação, num contexto de uma mais elevada cotação do petróleo e continuação de notícias positivas relativamente à economia, e (3) a evolução favorável dos índices de ações.

A divulgação das minutas do Banco Central Europeu relativamente à reunião de política monetária de dezembro acabou por mostrar um debate mais avançado sobre a "estratégia de saída" do que sugerido por Mario Draghi na conferência de imprensa de 14 de dezembro, nomeadamente no que se refere à possibilidade de a linguagem sobre a política monetária e o forward guidance poder ser alterada no início do ano. Nesse sentido, não só a reunião de 25 de janeiro ganha maior importância, como é relembrado que o enquadramento económico favorável deverá manter os bancos centrais pressionados no sentido de normalizar (ainda que gradualmente) as suas políticas monetárias.

Para hoje, a divulgação da leitura de dezembro para o índice de preços no consumo nos EUA poderá ganhar ainda maior importância, relembrando que a yield a 10 anos do Tesouro dos EUA se aproximou nos últimos dias de um importante patamar do ponto de vista técnico.

Entretanto, em Portugal, o IGCP realizou uma emissão sindicada a 10 anos, com a venda de 4 mil milhões de euros da OT com maturidade em outubro de 2028, a uma yield de 2,137%, o que representa uma parcela relevante do montante de 15 mil milhões de euros que o Programa de Financiamento para 2018 estabelece para ser obtido via a emissão bruta de OT, combinando sindicatos e leilões. A forte procura observada durante a emissão sindicada, após a evolução positiva por parte da curva soberana portuguesa nas semanas anteriores, representa um sinal de suporte. Os dados de atividade na China para dezembro e o PIB do 4º trimestre de 2017 (quinta-feira), assim como a leitura de dezembro dos indicadores coincidentes do Banco de Portugal (sexta-feira), representam o destaque do calendário económico da próxima semana.

Voltar